quarta-feira, 23 de agosto de 2017

Vida e Poesia: MINHA ÚLTIMA HOMENAGEM AO AMIGO LUÍS FRANCELINO DE...

Vida e Poesia: MINHA ÚLTIMA HOMENAGEM AO AMIGO LUÍS FRANCELINO DE...: Nilson Silva (O Poeta do Amor) Quem me dera eu poder Em vida ir lá no Céu Beijar o manto de véu E de joelho dizer: Oh Deus! Por que pe...

MINHA ÚLTIMA HOMENAGEM AO AMIGO LUÍS FRANCELINO DE MARTINS RN




Nilson Silva (O Poeta do Amor)

Quem me dera eu poder
Em vida ir lá no Céu
Beijar o manto de véu
E de joelho dizer:
Oh Deus! Por que perecer
Uma pessoa querida
Que tanto amou a vida
No entanto, como cristão
Partiu nosso coração
Com sua triste partida.


O que eu estou querendo
É contra tua vontade
Mas é porque na verdade
Todos estamos sofrendo,
Esta partida está sendo
Pra nós um grande sofrer
Eu não consigo entender
Na dúvida eu permaneço
Se é a morte o preço
Que pagamos pra viver.


A morte levou meu pai,
Minha mãe e minha irmã
Possivelmente amanhã
Outra vida tomba e cai,
Um grande amigo se vai
Conosco fica a saudade
Lhe peço por piedade
Tenha compaixão Divino
Dê a Luís Francelino
Gozo na eternidade.


Como eu sou pecador
E ao Céu não posso ir
Aqui mesmo eu vou pedir
À Jesus nosso Senhor,
Acolhe com seu amor
Envolve-o no santo véu
Pra ele eu tiro o chapéu
Foi digno desde menino
De ir morar com Divino
Junto aos anjos do Céu.


Vida e Poesia: A SINGELEZA DO AMOR FEMININO

Vida e Poesia: A SINGELEZA DO AMOR FEMININO: Taniamá Vieira da Silva Barreto (Cadeira 01 da ALAM, Cadeira 12 da AFLAM, Cadeira 03 da ACJUS, Cadeira 57 do CONINTER) Um verdadeiro mar ...

Vida e Poesia: A SINGELEZA DO AMOR FEMININO

Vida e Poesia: A SINGELEZA DO AMOR FEMININO: Taniamá Vieira da Silva Barreto (Cadeira 01 da ALAM, Cadeira 12 da AFLAM, Cadeira 03 da ACJUS, Cadeira 57 do CONINTER) Um verdadeiro mar ...

Vida e Poesia: ELOGIO À AFLAM

Vida e Poesia: ELOGIO À AFLAM: Taniamá Vieira da Silva Barreto (Cadeira 12 da AFLAM) Lá se vão dez anos de fundação da Academia Feminina de Letras e Artes Mossoroen...

quinta-feira, 17 de agosto de 2017

ELOGIO À AFLAM


Taniamá Vieira da Silva Barreto

(Cadeira 12 da AFLAM)



Lá se vão dez anos de fundação da Academia Feminina de Letras e Artes Mossoroense (AFLAM)!

Lá se vão aqueles momentos de discussões, diálogos, significações, construção e reconstrução dos objetivos, finalidades, constituição e caracterização da estrutura da AFLAM, enquanto instituição líteroartística e comprometida com a semeadura da cultura e da liberdade!.

Lá se vão 10 anos, quando no Auditório da Biblioteca Municipal Ney Pontes Duarte, no dia 17 de agosto de 2007, em solenidade orquestrada pela advogada, escritora e poetisa Maria de Fátima de Castro, o sonho se fez realidade! Realidade confirmada em 28 de novembro do mesmo ano, com a diplomação das suas primeiras 32 aflamenses, quando a AFLAM promoveu, no auditório da Estação das Artes Elizeu Ventania, a solenidade para empossar as sócias fundadoras e efetivas, também sob a liderança da Presidente Maria de Fátima de Castro.

Foi um momento festivo de grande brilho, cuja abertura foi precedida pela apresentação musical do Grupo de Flautas do Conservatório de Música D'Alva Stela Nogueira, da UERN, fazendo valer o reconhecimento do potencial artístico dos mossoroenses e enaltecendo os valores culturais da terra de Santa Luzia.

A AFLAM congrega 40 mulheres que se fazem projetar através da sonoridade dos seus cantos, das suas músicas e do seu ecoar nas trilhas do imaginário poético, mostrando que a cultura deve estar sempre presente, sem exclusão na sociedade, num continum processo de crescimento, em que o desconhecido se faz conhecer e reconhecer, havendo a valorização do mundo cultural e artístico de confreiras comprometidas com a arte e a cultura.

Lá se vão dez anos de crescimento, lutas e incentivos ao desenvolvimento cultural de Mossoró, congregando escritoras, poetizas, pintoras, musicistas e artistas em geral, ressaltando a memória e o pensamento vivo de figuras femininas de Mossoró.

O significado poético pode ser decantado através dos versos de elogio à AFLAM, de nossa autoria em 2008, dos quais teve origem o Hino Oficial da nossa Academia, como segue:

Nasce a AFLAM brava e altiva!
De mulheres lutadoras e criativas,
Escritoras, pintoras, jornalistas,
Atrizes, poetizas, desenhistas.


Levanta, AFLAM altaneira!
Faz-nos cultuar sua bandeira;
AFLAM és ciência, arte; és história
És força, trabalho, bravura e gloria.


AFLAM, Academia querida
Nosso projeto; nosso ideal;
AFLAM és tu nosso sonho real
És luta; produção; és vida!


AFLAM; oh! AFLAM
Alma que a beleza irradia;
Teu lema é produção; é luta;
Resistência, compromisso e bravura.


AFLAM, és compromisso; és viver
Pulsa no peito o orgulho de você
Do caminhar de mulheres heróicas
Passarás a ser meritórica!



E assim cresce a AFLAM, contribuindo para a projeção das atividades literárias das mulheres, instigando à reflexão criativa de novos saberes!

Parabens AFLAM, pelos seus feitos e sua história de 10 anos semeando a cultura!

segunda-feira, 14 de agosto de 2017

A SINGELEZA DO AMOR FEMININO


Taniamá Vieira da Silva Barreto
(Cadeira 01 da ALAM, Cadeira 12 da AFLAM, Cadeira 03 da ACJUS, Cadeira 57 do CONINTER)




Um verdadeiro mar de esplendor;

Com um estampido de sensações a acalmar,

Irradiadas por um quadro que retrata o amor,
Refletindo a marca da doçura no olhar!

 

A singeleza estampada em sua face
É imagem da mulher que se deixa plantar;
É a semente do amor com fecundo enlace
Que faz o fruto da vida germinar!


É a imagem da verdadeira contemplação.
Com o filho em seu colo num abraço
A Mãe é carinho e completa proteção
Aconchegando o filho em seu regaço.


O fruto, produto da sua Criação
É preservação e sustentação da vida
É mulher a mergulhar de coração,
Em ações da informação e da partilha.


Mãe é leveza, conselho e ética construída
Pura poesia da edificação da existência;
É significado da felicidade perseguida
Mãe é simplicidade, devoção e experiência.


É marca da ação, da pureza e da Sabedoria
A mais plena constatação do Ser Feminino,
Denota compromisso que transcende à Poesia; 

Mãe é a expressão do Amor Divino.